Estação do Bebê Burigotto
         
Domingo, 26 de junho de 2016.











Clipping de 27/06/2013


Além de brasileiros, paraguaios, uruguaios e chilenos saem às rua

   
   Além de brasileiros, paraguaios, uruguaios e chilenos saem às ruas em manifestações
   
   - As manifestações que começaram no Brasil no início do mês se estenderam para os países vizinhos, como Paraguai, Uruguai e Chile. Nos últimos dias, os protestos são diários nas principais cidades. Em comum, algumas reivindicações, como o combate à corrupção e melhorias nas áreas sociais – investimentos em educação e saúde, por exemplo.
   
   No Uruguai, os líderes de movimentos sociais e organizações não governamentais defendem “zero de impunidade” para responsáveis por crimes cometidos durante a ditadura (1973-1985). Os manifestantes lembraram que no período houve perseguição política e desaparecimentos forçados.
   
   A Justiça no Uruguai processou, até o momento, 15 pessoas por crimes cometidos durante a ditadura, segundo dados oficiais. Porém, a Suprema Corte do país considera que os crimes cometidos no período “são delitos que prescreveram”. Em 1989, o Parlamento do Uruguai aprovou lei que anistia os que cometeram crimes naquele período.
   
   No Paraguai, os manifestantes saíram às ruas para pressionar os parlamentares a aprovar medidas que evitem prejuízos aos aposentados e pensionistas. Os professores do setor privado reivindicam a inclusão em um sistema de aposentadoria destinado apenas à categoria vinculada ao setor público. As reivindicações contam com o apoio dos trabalhadores rurais. Os protestos ocorrem a pouco mais de um mês da cerimônia de posse do presidente eleito do país, Horacio Cartes, em agosto.
   
   Os paraguaios voltarão a promover manifestações no próximo domingo (30) quando há posse dos novos parlamentares e autoridades locais no país. Nos cartazes dos manifestantes há pedidos por combate à corrupção e justiça.
   
   No Chile, os estudantes voltaram às ruas com apoio de várias categorias profissionais na tentativa de pressionar as autoridades a mudar o sistema de ensino no país. Lá, a educação superior é exclusivamente privada, não há universidades públicas. Os universitários querem reformas que incluam a possibilidade de ensino público superior gratuito.
   
   Agência Brasil




 Enviar esta notícia para alguém
[Seu nome]
[Para qual e-mail você deseja enviar esta notícia]

    



centro de estudos do genoma humano Fundação Pró-Sangue
Fundação Pró-Sangue
 


Copyright © 2002 - 2016 Lojas Estação do Bebê Ltda.
Todos os direitos autorais reservados.
 
 
Buscador Google
 

site oficial da rupública federativa do brasil


INMETRO
veja mais...


Agência Nacional de Vigilância Sanitária
veja mais...


PORTAL DO CONSUMIDOR
veja mais...


SBP - Sociedade Brasileira de Pediatria
veja mais...


CRIANÇA SEGURA
veja mais...


PROCONS MUNICIPAIS DO ESTADO DE S.PAULO
veja mais...